Contact Centers 2021-Estudo Benchmarking já disponível para download


O ordenado bruto médio mensal dos operadores de Contact Centers aumentou de 806.18 euros, em 2019, para 869.09 euros, em 2020.


Também a percentagem de colaboradores com contratos sem termo subiu, em 2020, de 46% para 51%. Esta foi uma das principais conclusões do Estudo de Caracterização e Benchmarking sobre o setor apresentado na 17ª Conferência Internacional da APCC.


Segundo o Estudo de Benchmarking, realizado pela APCC em conjunto com a everis, os setores que registaram ordenados mensais médios mais elevados foram o dos Correios e Distribuição Expresso (1.158 euros), Bancos e Instituições Financeiras (961 euros) e Assistência em Viagem (851 euros). Já os valores mais baixos foram registados nas Telecomunicações (635 euros), Turismo (635 euros) e Administração Pública (675 euros). Estes montantes correspondem apenas às remunerações base, pelo que não têm em conta a parte variável associada.


Ainda no que diz respeito aos vínculos laborais, houve uma diminuição de 45% para 43% de colaboradores com contratos a termo e de 8% para 5% com contrato temporário. Também a percentagem de trabalhadores a recibos verdes registou uma descida de 0,7% para 0,4%.


Neste estudo, que tem como objetivo analisar a evolução dos principais indicadores do setor dos Contact Centers, participaram 932 linhas de atendimento, um aumento da amostra em 210 linhas em relação a 2019. A invulgar representatividade da amostra espelhada neste Estudo, correspondendo a mais de 40% do universo do Setor, no qual trabalha quase 42.000 Colaboradores, é o garante da fiabilidade dos dados apresentados.


Como já é habitual, a APCC disponibiliza, gratuitamente, o Estudo de Caracterização e Benchmarking Contact Centers 2021. Faça o download desta 16ª edição.